Lugar ao Som

domingo, novembro 12, 2006

Evgeni Kissin

Gran Vals (Chopin)


Evgeni Kissin was born in Moscow in 1971 and began to play and improvise on the piano at the age of two. He entered the Moscow Gnessin School of Music for Gifted Children at the age of six, where he studied with Anna Pavlovna Kantor. At the age of ten he made his performing debut playing Mozart's Piano Concerto K. 466 with the Orchestra of Ulyanovska, and he gave his first solo recital in Moscow at age eleven. He first came to international attention in March 1984, when he performed the two Chopin concertos in the Great Hall of the Moscow Conservatory with the Moscow State Philharmonic under Dmitri Kitaenko.

Kissin made his West European debut in 1987 at the Berlin Festival, and in 1988 he toured Europe with the Moscow Virtuosi and Vladimir Spivakov. He made his BBC Promenade debut under David Atherton in 1988 and took part in the Berlin Philharmonic's New Year's Eve concert under the late Herbert von Karajan. In September 1990 he made an acclaimed North American debut playing both Chopin piano concertos with the New York Philharmonic and Zubin Mehta. The following week, the young pianist opened Carnegie Hall's centennial season with a spectacular debut recital. Next autumn he celebrates the tenth anniversary of this debut with a major recital tour of North America.

In the summer of 1997 Kissin became the first pianist ever to give a recital in the BBC Proms at the Royal Albert Hall. The concert was a sell-out and is considered by the BBC to have been one of the highlights of the Festival. He has given concerto performances every year since at the Proms.

Through his extraordinary virtuosity and powerful interpretations, Evgeni Kissin stands at the forefront of the young generation of pianists. He is now in demand the world over, appearing regularly with such conductors as Seiji Ozawa, Claudio Abbado, Vladimir Ashkenazy, James Levine, Carlo Maria Giulini, Kurt Masur and Daniel Barenboim, as well as with all the major orchestras. He makes regular recital tours to the United States, Japan and Europe, and his recordings have received numerous awards and accolades.


jorgg - 12.11.2006


Posted by Jorge P. Guedes : domingo, novembro 12, 2006 : 4 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------

domingo, novembro 05, 2006

ZECA AFONSO

Aqui, José Afonso já estava gravemente doente.


Para ti, Zeca. Com muita saudade!


ZECA AFONSO

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Aveiro, 2 de Agosto de 1929 - Setúbal, 23 de Fevereiro de 1987), mais conhecido por Zeca Afonso, foi um compositor de música de intervenção português. Escreveu, entre outras coisas, música de crítica à ditadura fascista que vigorou em Portugal desde 1933 até 1974.

Biografia
Foi criado pela tia Gigé e pelo tio Xico, numa casa situada no Largo das Cinco Bicas, em Aveiro, até aos 3 anos (1932), altura em que foi viver com os pais e irmãos, que estavam em Angola havia 2 anos.
A relação física com a natureza causou-lhe uma profunda ligação ao continente
africano que se reflectirá pela sua vida fora. As trovoadas, os grandes rios atravessados em jangadas, a floresta esconderam-lhe a realidade colonial. Só anos mais tarde saberá o quão amarga é essa sociedade, moldada por influências do "apartheid".
Em 1937, volta para Aveiro onde é recebido por tias do lado materno, mas parte no mesmo ano para Moçambique, onde se reencontra com os pais e irmãos em Lourenço Marques (agora Maputo), com quem viverá pela última vez até 1938, data em que vai viver com o tio Filomeno, em Belmonte.
O tio Filomeno era, na altura, presidente da câmara de Belmonte. Lá, completou a instrução primária e viveu o ambiente mais profundo do Salazarismo, de que seu tio era fervoso admirador. Ele era pro-franquista e pró-hitleriano e levou-o a envergar a farda da Mocidade Portuguesa. "Foi o ano mais desgraçado da minha vida", confidenciou Zeca.
Zeca Afonso vai para Coimbra em 1940 e começa a cantar por volta do quinto ano no Liceu D. João III. Os tradicionalistas reconheciam-no como um bicho que canta bem. Inicia-se em serenatas e canta em «festarolas de aldeia». O fado de Coimbra, lírico e tradicional, era principalmente interpretado por si.

Os meios sociais miseráveis do Porto, no Bairro do Barredo, inspiraram-lhe para a sua balada «Menino do Bairro Negro». Em 1958, José Afonso grava o seu primeiro disco "Baladas de Coimbra".
Grava também, mais tarde, "Os Vampiros" que, juntamente com "Trova do Vento que Passa" (um poema de Manuel Alegre, musicado e cantado por Adriano Correia de Oliveira) se torna um dos símbolos de resistência antifascista da época.
Foi neste período (1958-1959) professor de Francês e de História na Escola Comercial e Industrial de Alcobaça.
Em 1964, parte novamente para Moçambique, onde foi professor de Liceu, desenvolvendo uma intensa actividade anticolonislista o que lhe começa a causar problemas com a polícia política pela qual será, mais tarde, detido várias vezes.
Quando regressa a Portugal, é colocado como professor em Setúbal, mas, devido ao seu activismo contra o regime, é expulso do ensino e, para sobreviver, dá explicações e grava o seu primeiro álbum, "Baladas e Canções".

Entre 1967 e 1970, Zeca Afonso torna-se um simbolo da resistência democrática. Mantem contactos com a LUAR e o PCP o que lhe custará várias detenções pela PIDE. Continua a cantar e participa, em 1969, no 1º Encontro da "Chanson Portugaise de Combat", em Paris e grava tambem o LP "Cantares do Andarilho", recebendo o prémio da Casa da Imprensa pelo melhor disco do ano, e o prémio da melhor interpretação. Zeca Afonso passa a ser tratado nos jornais pelo anagrama Esoj Osnofa em virtude de ser alvo de censura.

Em 1971, edita "Cantigas do Maio", no qual surge "Grândola Vila Morena", que será mais tarde imortalizada como um dos símbolos da revolução de Abril. Zeca participa em vários festivais, sendo também publicado um livro sobre ele e lança o LP "Eu vou ser como a toupeira". Em 1973 canta no III Congresso da Oposição Democrática e grava o álbum "Venham mais cinco".
Após a Revolução dos Cravos continua a cantar, grava o LP "Coro dos tribunais" e participa em numerosos "cantos livres". A sua intervenção política não pára, tornou-se um admirador do período do PREC e em 1976 apoia Otelo Saraiva de Carvalho na sua candidatura à presidência da república.
Os seus últimos espectáculos decorrem nos Coliseus de Lisboa e do Porto, em 1983, quando Zeca Afonso já se encontrava doente. No final deste ano, é-lhe atribuida a Ordem da Liberdade, mas o cantor recusa (mais tarde, em 1994, é feita nova tentativa a título póstumo, mas a sua mulher recusa, dizendo que, se o marido a não tinha aceitado em vida, não seria depois de morto que a iria receber).

Em 1985 é editado o seu último álbum de originais, "Galinhas do Mato", em que, devido ao avançado estado da doença, José Afonso não conseque cantar a totalidade das canções. Em 1986, já em fase terminal da sua doença, apoia a candidaduta de Maria de Lurdes Pintassilgo à presidência da república.
José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de 1987, no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrópica. Será certamente recordado como um resistente que conseguiu trazer a palavra de protesto antifascista para a música popular portuguesa e também pelas suas outras músicas, de que são exemplo as suas baladas.

Bibliografia activa
"Cantares" (1968)
"Cantar de Novo" (1969)
"Quadras Populares" (1980)
"Textos e Canções" (1986)

Bibliografia passiva
"José Afonso" - por
José Viale Moutinho (1972, ed. espanhola 1975)
"Zeca Afonso: As Voltas de um Andarilho" - por
Viriato Teles (1983)
"Livra-te do Medo - Histórias e Andanças do Zeca Afonso" - por
José António Salvador (1984)
"Zeca Afonso - Poeta, Andarilho e Cantor" - edição
Associação José Afonso (1994)
"José Afonso - O Rosto da Utopia" - por José António Salvador (1994)
"José Afonso, Poeta" - por
Elfriede Engelmeyer (1999)
"As Voltas de um Andarilho" - por Viriato Teles (1999, ed. aumentada)
"Zeca Afonso antes do mito" - por
António dos Santos e Silva (2000)
"José Afonso - Um olhar fraterno" - por
João Afonso dos Santos (2002)

Links Externos
ZECA AFONSO - O rosto de uma Utopia
http://www.av.it.pt/aveirocidade/pt/monumentos/monu12.htm
http://www.geocities.com/vilardemouros1971/joseafonso.htm

Retirado de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeca_Afonso"

Jorgg - 05.11.2006


Posted by Jorge P. Guedes : domingo, novembro 05, 2006 : 16 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------