Lugar ao Som

sábado, outubro 28, 2006

Joan Manuel Serrat



Nació un 27 de diciembre de 1943 en el barrio de Poble Sec de Barcelona (España), en un país donde las recientes heridas de la guerra civil (1936 a 1939) tardarían aún mucho tiempo en cicatrizar.
Su padre Josep, un obrero; su madre Angeles, una campesina de Belchite.
Juanito, como se le conocía de pequeño, estudió primero en un colegio religioso para después estudiar en un instituto. Una vez aprobada la revalida de bachillerato se matriculó en la Universidad Laboral de Tarragona, antes consiguió aprobar el ingreso de Peritaje Industrial y curso todo el bachillerato laboral.
Su andadura musical comenzó con tres compañeros del servicio militar, formó un conjunto integrado por dos guitarras, contrabajo y batería, empezó a componer canciones y su primer paso consistió en presentarse a un programa de radio de Salvador Escamilla a finales de 1964, llegó al programa de Radio Barcelona y cantó una sola canción. Tres meses después fue a una casa de discos, le hicieron una prueba y a los tres días recibe una respuesta afirmativa y graba su primer disco, que incluía las canciones "La mort de l'avi", "Una guitarra", "Ella em deixa" y "el mocador", de esta manera entró a formar parte de la Nova Cançó, identidad negada entonces por los vencedores de la guerra civil.
El primer grupo promotor de la Nova cançó fue -Els setze jutges- (Los dieciséis jueces) que, como su nombre indica, fijaba un máximo de dieciséis cantantes en lengua catalana cuya primera aparición publica fue el 19 de diciembre de 1961, Joan Manuel ocupó el puesto número trece de este grupo, el debut público como componente de -El setze jutges-, tiene lugar en mayo de 1965, por entonces cobraba 1.000 pts. como el resto de los componentes del grupo, su primer triunfo indiscutible se produce en Abril de 1967 al actuar en solitario en la segunda parte de un concierto de la Nova Cançó en el Palau de la Música Catalana de Barcelona.
1968, un año crucial
En enero de 1968 los periódicos anunciaron que Joan Manuel Serrat representaría a España en el Festival de Eurovisión que se iba a celebrar en Londres, pensaron que él podía dar una imagen distinta, joven, inconformista, rebelde dentro de un orden.
La bomba estalla el 25 de marzo, cuando Serrat -que ya había grabado su primer disco en castellano- renuncia a cantar en el Festival de Eurovisión si no lo hace en lengua catalana, ante su negativa se le acusa de "separatista", en algunos titulares de los periódicos aparece -Serrat dice "no" a España-, a partir de ese momento es vetado en la Televisión Española.
Fruto de sus relaciones con la modelo catalana Mercedes Doménech tiene un hijo al que le llaman Queco Serrat, nació el 8 de mayo de 1969 en Madrid.
La primera gira sudamericana dura cinco meses y concluye en febrero de 1970, en marzo de 1971 comienza otra gira por países sudamericanos, Argentina, Colombia, Chile, Venezuela y Méjico.
En 1975 se editó el album Piel de manzana, el cual llegaría a ser vendido casi clandestinamente, en años posteriores verá prohibida su entrada en algún que otro país americano. El 29 de septiembre de 1975 declara en el aeropuerto de Méjico su -absoluto repudio a la pena de muerte, a la violencia establecida y oficial-, posteriormente se adoptarían medidas contra él, como la congelación de la venta de sus discos, prohibición absoluta de radiación de sus canciones, la apertura de un proceso de orden de apresamiento en caso de que el cantante regresara a España, Serrat no se detracta de sus manifestaciones y decide exiliarse en Méjico, a pesar de todo, el artista rehace su vida y recorre las carreteras junto con sus compañeros a bordo de un autobús-roulotte al que llamaban -La gordita-, precedida de una camioneta llamada -La chispa-.
La muerte del general Franco propicia su regreso a España el viernes 20 de agosto de 1976, pero aun con riesgo de detención en el aeropuerto de Barcelona que no llega a producirse, tiene un recibimiento multitudinario de sus fans.
En 1978 se casa en la intimidad con Candela Tiffón, un año después nace su hija María.
En junio de 1983, tras más de ocho años de ausencia no deseada por ninguna de las dos partes actúa en Buenos Aires, un país que ansía la normalidad democrática, inicia la actuación con Cantares, en Chile le prohiben la entrada al país, la gira proseguiría en Brasil, Perú, Ecuador, Colombia y Venezuela.
La gira de 1984 queda inmortalizada gracias al elemento humano, (públicos masivos) y el técnico, siete toneladas de material, magnetófonos de 18/24 pistas, micrófonos de ambiente y 18 de sonido directo en cada escenario.
Cronista de un tiempo, figura popular cuya permanencia lo ha situado por encima de los vaivenes de la moda o las fluctuaciones de un mercado que lo fagocita todo, Joan Manuel Serrat continua siendo notario de su entorno, posee la misma capacidad de indignación, de entusiasmo y de ilusión que cuando tenía aquellos veinte años.
No importa el tiempo transcurrido, sino la obra realizada y la que, ahora mismo, abre las puertas del futuro. Lo importante es la sinceridad permanente y las ganas de seguir vivo, nos abre una nueva perspectiva con la que mirar el mundo y mirarnos a nosotros mismos.
In site www.galeon.com
Posted by Jorge P. Guedes : sábado, outubro 28, 2006 : 7 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------

sexta-feira, outubro 20, 2006

2 grandes êxitos de John Denver 8 anos após a sua morte

"Country roads"



"Let us begin(What are we making weapons for?)"



Jorge G

Posted by Jorge P. Guedes : sexta-feira, outubro 20, 2006 : 5 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------
John Denver

John Denver and the Muppets - Poems, prayers and promises



Um dos mais conhecidos e estimados artistas, Henry John Deutschendorf Jr. nasceu em Roswell,no New Mexico, em 31 de Dezembro de 1943.
Filho de um oficial da Força Aérea, o seu caminho artístico principiou após a mudança da família para Tucson, no Arizona, onde, com 11 anos, lhe foi oferecida a guitarra de uma avó.
Aprendendo a tocar, John juntou-se a um coro masculino até que aos 20 anos se dispôs a seguir uma carreira musical.
Aclamado internacionalmente como escritor de canções, intérprete, actor, ambientalista e humanitário, a sua música espalhou-se ao longo de três décadas, sobrevivendo a múltiplas tendências musicais e coleccionado prémios e galardões, tendo em 1996 sido nomeado para o Songwriter’s Hall of Fame depois de em 1993 ter ganho o prestigioso Albert Schweitzer Music Award.
Em 1963, John mudara-se para Los Angeles com o propósito de ester no coração da florescente cena musical da época. E foi então que, pressionado pelos amigos, passou a usar o nome artístico de John Denver, provavelmente como homenagem à capital do Colorado, estado vizinho do seu estado natal do New Mexico.
Vocalista do popular Mitchell Trio, John ganhou, digamos, direito à sua independência quando a sua canção “Leaving On A Jet Plane” foi gravada pelos
Peter, Paul and Mary, tornando-se o 1º e único número 1 em vendas do famoso trio.
Menos de dois anos após a dissolução do Mitchell Trio, John subia ao galarim com êxitos como “Take Me Home, Country Roads,” “Rocky Mountain High,” “Sunshine On My Shoulders,” “Annie’s Song,” “Back Home Again,” “Thank God I’m A Country Boy,” and “Calypso,” – solidificando a sua posição como um das primeiras estrelas da década.
As digressões em concerto chegaram globalmente a milhões de pessoas. O mundo abraçou Denver e este obteve 14 álbuns de ouro e 8 de platina nos Estados Unidos, assim como numerosas vendas de ouro e platina fora do país.
Por alturas do seu terceiro álbum, em 1970, as inclinações políticas e sociais do compositor-intérprete começaram a ser mais nítidas. “Whose Garden Was This?” foi a primeira de uma longa série de canções com preocupações ambientais.
Em 1985 foi convidado pela Soviet Union of Composers para actuar na U.Soviética, dando força à internacionalmente aplaudida canção “Let Us Begin (What Are We Making Weapons For)”.
Uma versão isolada e única desta canção foi gravada em Moscovo num dueto com o grande cantor russo Alexander Gradsky. Foi a primeira vez que as qutoridades soviéticas permitiram que um artista do país gravasse um disco com um grande intérprete americano. O video de “Let Us Begin” emocionou espectadores em todo o mundo.
O êxito desta visita abriu caminho para uma digressão pela U.S. em 1986. Uma troca cultural sem precedentes.
E em 1987, John regressou à URSS para um concerto de beneficência em favor das vítimas de Chernobyl.
Denver foi também o primeiro ocidental a fazer uma digressão inter-cidades na China, em Outubro de1992.
Em 1994 publicou uma autobiografia, “Take Me Home”.
E em 12 de Outubro de 1997, a tragédia aconteceu quando o seu avião experimental se despenhou.
John Denver tinha então apenas 53 anos.


Texto de Jorge G

Posted by Jorge P. Guedes : sexta-feira, outubro 20, 2006 : 0 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------

sábado, outubro 14, 2006

Ney Matogrosso - Um artista de palco




Ney Matogrosso já cantava em corais em Brasília, onde era funcionário público, em 64. Chamado por amigos para fazer alguns espectáculos, por a sua voz ser diferente, nunca havia pensado em na profissionalização.
Mudou-se para o Rio, onde foi viver da venda de artesanato. Tornou-se amigo de Luli, que convencida do talento de Ney apresentou-o ao músico João Ricardo, que estava a formar um grupo e precisava de uma voz aguda masculina. Nascia, assim, a banda "Os Secos & Molhados."

O grupo arrasou com os convencionalismos da música popular brasileira. Com as caras eos corpos pintados, esgotaram o stock para vendas do primeiro disco com "O Vira", de Luli e João Ricardo. As pessoas estranhavam aquilo tudo, masrendiam-se ao canto agudo e atraente de Ney Matogrosso.

Depois de uma zanga com João Ricardo, Ney separa-se do grupo e faz o seu primeiro disco a solo, técnico e nervoso, que obteve vendas inexpressivas.
Grava então "Bandido" - onde finalmente é reconhecida a sua carreira a solo. O público fã de Ney duplicou e não era só a juventude que assistia aos seus shows. Todas as faixas etárias reunidas o aplaudiam em pé - e a partir desse disco, Ney foi consagrado como o maior ShowMan brasileiro.

Hoje, tantos anos depois, Ney raramente se apresenta coberto de pinturas e fantasias - já não se preocupa em esconder a face - doce, sério e suave, é hoje o grande "Pescador de Pérolas" da MPB, o falcão que ascendeu aos céus.

Jorge G

Posted by Jorge P. Guedes : sábado, outubro 14, 2006 : 5 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------

sábado, outubro 07, 2006

Em homenagem a Georges Brassens

"La ballade pour les gens qui sont nés quelque part"



O bebé Georges
Nascido a um Sábado,em 22 de Outubro de 1921, filho de Jean Louis (pedreiro) e de Elvira (lavadeira de roupa) no bairro de Cette ( que passará a Sète), no 54 da rue de l'Hospice ( que se tornará "Henri Barbusse" ). Estas mudanças viriam a ser fontes de inspiração para uma das suas canções.



A mãe era de origem napolitana, muito piedosa e já tinha uma filha do primeiro casamento, Simone, a meia-irmã de Georges.
O pai Jean Louis era, pelo contrário, liberal e um anti-clerical declarado. Aceitando que o filho fosse baptizado, não assistiu, porém, à sua primeira comunhão.



Foi a mãe, viúva de guerra do pai de Simone, quem lhe suscitou a vocação de cantor. Havia comprado um gira-discos e passava os dias a cantar as árias à moda de Ray Ventura e clássicos do Jazz.
O pai ensaiá-lo-ia um pouco no exercício da sua profissão de pedreiro. Mas depressa se percebe que Georges não era dotado para tal actividade. Assim, Jean Louis não insistirá e deixá-lo-á seguir a sua vida ao lado da música, para a qual cedo foi despertado através da mãe.
Brassens não revelou grande inclinação pelos estudos. Nenhuma Disciplina lhe despertava interesse, a não ser o Francês. Um professor, André Roiton, incutiu-lhe o gosto pelos poetas e fê-lo descobrir Racine, La Fontaine et Corneille.
Mas, nessa época, Georges passava a maior parte do tempo na rua com os companheiros.

Nos anos 38/39, Brassens sofre a influência das vagas de Jazz and Blues, sentindo-se cada vez mais atraído por essas correntes musicais. É igualmente o período de Ray Ventura por quem se sentia uma forte admiração.
As músicas sóbrias de Brassens eram um exercício voluntário. Preferia não mascarar os textos sob orquestrações muito pesadas.


No pós-guerra e durante o seu período de "vacas magras", colaborou com o " Libertaire", jornal anarquista, sob os pseudónimos de "Jo la Cédille". "Pépin Cadavre" ou "Gilles Corbeau".

Esse livro seria publicado mais tarde, em Outubro de 47 , com o título mais anódino de "La lune écoute aux portes" .

Em 1942 Brassens publica, à sua conta, um livro de poemas , "A la venvole". À época tem apenas 21 anos e o dinheiro para esta edição de autor é recolhido entre os amigos e a família, tendo saído apenas umas dezenas de exemplares desta recolha de 13 poemas que teve, naturalmente, uma reduzida difusão.

A 6 de Março de 1952, Brassens consegue através de amigos uma audição no cabaret de Patachou. Encadeia todos os títulos que escrevera na Alemanha (Le gorille, la mauvaise réputation, la chasse aux papillons ...). Patachou fica entusiasmada com o que ouve e propõe-lhe começar logo no Sábado seguinte, 8 de Março.


Brassens, que teria preferido fazer cantar as suas canções por outros que não ele próprio, inicia-se contra a vontade como intérprete. Patachou entusiasma-o tanto quanto Georges permite, tentando convencê-lo que só ele mesmo poderá cantar os seus textos. Na verdade, não haveria muitos capazes de interpretar "Le Gorille" perante uma plateia estupefacta. Actuando depois de Raymond Devos, no final da noite, Brassens constrói, pouco a pouco, a sua reputação graças ao boca-a-boca dos corajosos que ficavam até às 2 horas da manhã para o escutarem. E quatro dias depois, o "France Soir" titula: "Patachou a découvert un poète".

Iniciava-se a "carreira de Georges Brassens". .


Ainda em 1952, faz a sua primeira tournée com Pierre Nicolas e Patachou que o tomou definitivamente sob a sua protecção.


Em 47, Georges Brassens conheceu Joha Heinman, uma actriz originária da Estónia que será a sua companheira até ao fim da vida. De acordo com a mania que ele tinha, Joha logo teve uma alcunha, "Puppchen", ( "bonequinha" em alemão).
Viverão toda a vida em casas separadas, aplicando à letra as regras de vida que Brassens viria a descrever mais tarde em "La non-demande en mariage".

Brassens e a sua Puppchen.

E eis a foto que tanta gente quer ver ( Obrigado à Remy!)
Os 3 monstros sagrados da canção francesa da época, Brassens, Brel e Ferré.
Num estúdio da RTL durante a emissão de uma conversa entre os três em 6 de Janeiro de 1969.



A 16 de Janeiro de 1963 sofre a primeira intervenção cirúrgica aos rins. Desde 1946 que Brassens sofre de cólicas nefréticas que lhe tornam a vida (e os concertos) insuportáveis.
É frequentemente necessária a administração de injecções que lhe permita aguentar as 2 horas normais de um concerto.
Finalmente, Quinta-feira 29 de Outubro de 1981 às 23h15, Georges Brassens morre em Saint Gély du Fesc em casa do seu amigo, lo Dr.Maurice Bousquet. Há vários meses que se encontrava muito fraco, a tal ponto que um despacho da France Press o anunciaria, mesmo, morto com algumas semanas de antecedência. A essa notícia, ainda respondera muito ironicamente: " É um pouco exagerado !".
Desde Maio que Brassens sabe que está à espera de um cancro generalizado. Uma última operação não permite irradicar a doença e a convalescença é longa e dolorosa. Durante o verão, regressa a Sète.
E a 29 de Outubro de 81, Brassens "casse sa pipe" como titularia o jornal "Libération".
Não foi sepultado no cemitério "Paul Valéry", mas sim no menos afamado "Le Py",no jazigo da família Brassens-Dagrosa.


Tradução e adaptação de Jorge G

Posted by Jorge P. Guedes : sábado, outubro 07, 2006 : 9 Comments

Comentar / Ler Comentários

---------------oOo---------------